Os Vinhos Tintos

Vinhos tintos, harmonizam melhor com pratos de temperos fortes como massas de molho vermelho, carnes bovina/suína, assados, caças e churrasco. 

Para se produzir vinho tinto, as castas são colhidas, desengaçadas, os bagos são esmagados e o mosto vai para um tanque de fermentação, onde recebe leveduras. Após a fermentação, o mosto é conduzido para trasfegas de decantação e clarificação, podendo passar por estágios em barricas de carvalho ou não. O estágio seguinte, consiste filtrá-lo e terminar o ciclo no processo de engarrafamento. 

Ao fazer um passeio pelas adegas, encontramos diversas inscrições nos rótulos das garrafas de vinho. O rótulo geralmente contém informações que descrevem o vinho, como graduação alcoólica, tipo de uva utilizada, País de origem, região, quantidade de açúcar, processo de fabricação, etc. 

Graduação alcoólica 

Os vinhos possuem graduação alcoólica que pode variar entre 8 e 14 GL. Vinhos com menor teor alcóolico são chamados de vinhos leves. Vinhos com maior graduação, são vinhos encorpados ou robustos. Alguns vinhos podem chegar a 20 GL através da adição de aguardente vínica ("grappa" na Itália, "pisco" no Chile, "bagaceira" em Portugal). Este processo que aumenta o teor de álcool, resulta em "vinhos fortificados". 

Quantidade de açúcar 

Os vinhos em geral são classificados de acordo com o teor de açúcar, podendo ser doces/licorosos, suaves, meio-secos ou secos. Quando um vinho é seco, significa que todo o açúcar foi convertido em álcool durante o processo de fermentação. 

Tipos de uva 

Existem dois grandes gêneros de uva: Americana e Européia. Vinhos de boa qualidade, são produzidos com uvas européias. As uvas européias tiveram origens essencialmente na França, Itália, Alemanha e diversos países da Europa, mas atualmente estão mais associadas aos locais em que melhor se adaptaram as diferentes variedades de uvas. Alguns exemplos são descritos a seguir: 
 

Nome da casta
Descrições e regiões de boa adaptação
Carmenère Uva extinta pela filoxera que remanesceu no Chile, onde atualmente está bem adaptada e resulta vinhos encorpados, com taninos bem resolvidos.
Malbec A principal casta cultivada na Argentina. Resulta em vinhos de cor rubi-intenso, com bastante tanino
Tannat A principal casta utilizada no Uruguay. Resulta em vinhos mais acídulos.
Cabernet Sauvignon A Rainha das castas, onde melhor se adaptou na região de Bordeaux, na França e de onde saem os grandes vinhos. É uma casta que se adapta bem em diversas regiões do mundo e resulta em vinhos de boa estrutura e corpo.
Merlot Resulta vinhos mais leves que a Cabernet Sauvignon, mas é uma casta que vem conquistando o paladar das pessoas. Também se adapta muito bem em diversas regiões
Cabernet Franc Segue o estilo da Cabernet Sauvignon, masresulta em vinhos mais leves e de paladar mais delicado.
Nebbiolo Uva típica da Itália. Muito frutosa, mas muitas vezes resultam vinhos com excesso de taninos.
Pinot Noir Uva tinta muito utilizada sem a casca para produzir champagnes. Tem aroma expressivo nos vinhos tintos.
Gamay Com esta casta, se obtém vinhos leves excelentes e muito refrescantes.
Syrah Os vinhos produzidos com Syrah apresentam taninos ásperos, mas que evoluem com a guarda.
Tempranillo Casta típica da Espanha. Resulta em vinhos de coloração intensa, mas de baixa acidez e teor alcoólico.
Cinsault Se adapta bem a climas quentes e é muito produtiva, apesar de resultar em vinhos sem muita expressão, acídulos e pouco encorpados.
Mission Casta muito difundida nos Estados Unidos, em especial no Vale Central- Califórnia.
Zinfandel Uva californiana resultando vinhos bem frutados, com nuances apimentados, com boa complexidade aromática. Alguns vinhos podem ter longevidade, sendo bom para guarda.
Grignolino Casta cultivada no Piemonte (Itália) que resulta vinhos leves, de pouco corpo e aromas delicados.